Consultoria Lean Six Sigma Management

 

A Consultoria em Lean Six Sigma prepara a organização para criar respostas aos problemas estruturais que já lhe são familiares:

Áreas de intervenção

  • liderança e gestão empresarial;
  • value stream mapping (vsm), design and analysis;
  • desdobramento da estratégia (hoshin kanri);
  • implementação de práticas e soluções de melhoria contínua (kai-zen);
  • desenvolvimento e implementação de sistemas de operações lean;
  • análise e melhoria de processos de trabalho (métodos e tempos);
  • lean supply chain management (lean scm e pull flow mgt);
  • promoção e realização de rapid improvement events (rie);
  • implementação de sistemas pull e kanban (logística interna);
  • promoção do trabalho em equipa, desenvolvimento de pessoas e seu empowerment (metodologia kata e Método Harada);
  • implementação de grupos de melhoria e círculos de qualidade;
  • implementação de práticas e soluções lean six sigma.

Pains

Problemas

(oportunidades)

  • Problemas de qualidade
  • Atrasos nas entregas
  • Redução de margens
  • Aumento de custos
  • Elevados stocks
  • Falhas no planeamento
  • Falta de envolvimento das pessoas

Pills

Métodos e ferramentas

  • Melhoria Contínua (Lean Six Sigma);
  • Gestão de Operações (planeamento e controlo);
  • Teoria das Restrições (ToC);
  • Gestão Ágil de Projetos (ex. Métodos e tempos)

Gains

Ganhos e resultados

  • Redução de tempos e de custos
  • Redução de stocks
  • Aumento das vendas
  • Aumento dos níveis de satisfação do pessoal
  • Mais qualidade
  • Maior produtividade
  • Malhor uso dos recursos
  • Melhor serviço ao cliente

Going Lean - a Metodologia CLT para implementação lean six sigma

INICIAL ASSESSMENT (IA) – diagnóstico inicial (máx. uma semana):

  • o cliente define a sua meta (quantitativa e objectivamente);
  • definir o estado actual (as-is), ie, do ponto de partida;
  • determinar os gaps (diferença entre o actual e a meta pretendida);
  • quantificar as oportunidades (ganhos);
  • definir as prioridades de intervenção:
  • em que sectores, departamentos ou áreas intervir? quando?
  • em que processos, produtos ou serviços focalizar? quando?

PLAN – planeamento (máx. uma semana):

  • planear as acções de acordo com as prioridades definas na fase ia;
  • antecipar problemas;
  • ultrapassar obstáculos;
  • organizar a eficiência;
  • identificar o scorecard (kpi’s) para monitorizar o desempenho do projecto;
  • determinar meios e modos de comunicação e partilha;
  • definir o método (ágil) de planeamento e gestão do projecto.
  • estimar os meios necessários (humanos e materiais);
  • apresentar o planeamento e o budget à direcção da empresa para aprovação;
  • formar e preparar a equipa de intervenção (core team);
  • funções e atribuições de cada elemento da equipa;
  • informação (meios), comunicação e partilha dentro da equipa.
  • conseguir o buy-in de todas as pessoas a envolver;
  • criar o process ownerhip nas pessoas a envolver.

DO – execução (de um a doze meses, em alguns projectos poderá ser superior a um ano):

  • executar o plano de acções tal como definido na fase plan;
  • aplicar dos métodos e das ferramentas (ex. lean, six sigma, toc, scrum, etc);
  • desdobrar o plano por vários níveis da organização (se aplicável);
  • acompanhar a execução, fazer ajustes sempre que necessário;
  • reforçar a equipa (se necessário);
  • formação e treino sempre que se justificar;
  • reportar resultados à gestão através de reuniões periódicas.

CHECK – validar (actividade realizada em pequenos sprints):

  • validar os resultados alcançados;
  • registar e partilha das lições aprendidas e das boas práticas geradas;
  • criar de padrões de forma a reter o conhecimento gerado;
  • fazer ajustes ao plano sempre que necessário.

RELEASE – entrega e encerramento (máx. uma semana):

  • conclusão do projecto de consultoria;
  • apresentação dos resultados;
  • partilha das lições aprendidas e das boas práticas geradas;
  • retrospectiva do projecto.

Os resultados

Os resultados típicos de um projecto de consultoria promovido pela CLT Valuebased Services são:

  • retorno do investimento (roi) – 300% a 500% (garantido para projectos com duração superior a seis meses);
  • dependendo do âmbito do projecto, estima-se a redução de:
  • custos operacionais – 10% a 20%;
  • stocks intermédios – 20% a 40%;
  • tempo total de fabrico (lead time) – 40% a 70%;
  • tempo de resposta a clientes – 50% a 80%;
  • erros/defeitos de qualidade (scrap) – 50% a 80%;
  • dependendo do âmbito do projecto, estima-se o aumento de:
  • espaço libertado – 5% a 10%;
  • eficiência (produtividade) – 30% a 60%;
  • nível de serviço (service level, on time delivery) – 50% a 90%;
  • vendas/resultados financeiros da empresa (crescimento do negócio);
  • participação, flexibilidade e moral dos recursos humanos da empresa.

Compromisso da clt services

  • garantia de alcance dos resultados a que nos propomos;
  • manutenção do equilíbrio entre clientes, pessoas, processos e ganhos;
  • valorização do seu tempo, colocando em elevado patamar o alcance de objectivos dentro dos prazos e custos estabelecidos;
  • promoção das ideias e a criatividade da sua equipa e da nossa de forma a resolver os problemas;
  • partilhar experiências e conhecimentos livremente;
  • a intervenção de consultoria baseia-se numa lógica win-win como forma de garantir um rápido retorno dos investimentos (com payback típico de seis a nove meses na maior parte das intervenções) e retornos na ordem dos 1-10.

para consulta de casos concretos da implementação lean na indústria e serviços acompanhados pela clt consulting services, solicite-nos através de [email protected].